All posts tagged “Criança

comment 0

Criança e Natureza: “A horta nos tirou da internet e fez a gente botar a mão na terra”

por Rodrigo Édipo

A relação das crianças com o entorno natural auxilia o seu desenvolvimento em diversos aspectos – intelectual, social, emocional, espiritual e físico. Contudo, a vida nas cidades contemporâneas tem distanciado os pequenos da natureza. Com o objetivo de destacar iniciativas locais de diferentes áreas que já atuam em projetos que resgatam esse contato, o programa Criança e Natureza, do Instituto Alana, em parceria com a INCITIPesquisa e Inovação para as Cidades, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), realizou o Encontro Criança e Natureza – Recife, dia 11 de maio de 2019, no Jardim do Baobá, espaço público localizado na margem do rio Capibaribe.

O evento, que teve apoio da Prefeitura do Recife e do projeto Lindeza, proporcionou momentos de interação entre crianças e adultos, com atividades de brincar livre na natureza e rodas de conversa com pessoas de diferentes vivências para trocas de experiências sobre os benefícios do contato com a natureza e os espaços urbanos para o desenvolvimento pleno e integral na infância. O encontro também contou com atividades do Ribe e os Aventureiros do Capibaribe, publicação e ferramenta metodológica desenvolvida pela INCITI/UFPE em parceria com a Prefeitura do Recife. 

Pela primeira vez no Recife, o evento também já aconteceu em cidades como Florianópolis, Natal, Brasília e Goiânia. “A ideia dos encontros regionais é ampliar o tema nas diferentes regiões do Brasil. A gente fomenta a criação de redes locais de ações e iniciativas que já trabalham com o tema e favorecem essa conexão da criança com a natureza. O interessante dos encontros é que essas ações, que podem ser desenvolvidas por diferentes setores da sociedade, muitas vezes não são vistas como parte de um mesmo movimento”, explica Paula Mendonça, assessora pedagógica do programa Criança e Natureza. A educadora também é uma das diretoras do documentário Waapa, que é fruto de uma pesquisa sobre a infância, a vida comunitária e espiritual no Parque Indígena do Xingu.

Circe Monteiro (à esq.) e Paula Mendonça realizaram as falas de abertura. Foto: Natália Regina/Paulo Vilela

A Profa. Circe Gama Monteiro, coordenadora da INCITI/UFPE, alertou para a responsabilidade de olharmos as crianças com mais dignidade. “É necessário levarmos a sério o desenvolvimento emocional, afetivo, espiritual das crianças para que revelem dentro de si os seres humanos que são, com todo os potenciais desabrochados e desenvolvidos. E sabemos que a relação com a natureza é um dos aspectos mais importantes disso”, pontua. 

Gandhy Piorski. Foto: Natália Regina/Paulo Vilela

Durante o encontro, a importância do brincar livre como prática primordial na primeira infância foi reconhecida e, através da fala inspiradora do artista plástico e educador, Gandhy Piorski, foi pautada a necessidade de abrirmos caminhos para que o mundo imaginário das crianças aflore. “A forma de dialogar brincando com o mundo só pode acontecer porque a criança imagina. É uma faculdade de encantamento”, relata.  A palestra do educador encantou o público presente, que teve a oportunidade de conhecer melhor as ideias que envolvem a pesquisa que desenvolve sobre a cultura da infância. Gandhy Piorski lançou em 2016 o livro Brinquedos do Chão (editora Peirópolis), que investiga as diversas representações do brincar e do brinquedo.

Nas rodas de conversa, mediadas pelo pedagogo Gabriel Santana (INCITI) e o engenheiro ambiental Djair Falcão (INCITI), estiveram presentes a representante do Fórum em Defesa da Educação Infantil em Pernambuco, Célia Santos, o professor Hildemarcos Florêncio, da Escola Humberto Castello Branco; a Mestra em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco, Ana Carolina Perrusi; a Gerente de Projetos Especiais da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife, Adryana Rozendo; o Diretor Executivo de Gestão Pedagógica da Prefeitura do Recife, Rogério Morais; a professora de direito ambiental e direitos humanos, abian (filha de santo) do Ilê Axé Oxalá Talabí, Ciane Alves; além da participação do Coletivo Massapê e do estudante e morador da comunidade de Vila Santa Luzia, Geovane dos Santos Ribeiro.

PARA ALÉM DOS MUROS

Geovane falou sobre experiência em horta comunitária. Foto: Natália Regina/Paulo Vilela

O encontro provocou reflexões sobre a possibilidade das escolas extrapolarem os próprios muros e promoverem experiências nas comunidades e “naturezas próximas”, incentivando o protagonismo de alunos e alunas em experiências pedagógicas que interagem com o território. Assim, foram apresentados exemplos como hortas em canteiros, que de maneira simples, proporcionam experiências afetivas e facilitam o vínculo das crianças com o ambiente que as cerca, desencadeando assim um senso de cuidado e respeito à natureza.

Capivaras de papelão fizeram sucesso entre as crianças. Foto: Natália Regina/Paulo Vilela

Como é o caso de Geovane dos Santos, 12 anos, morador da Vila Santa Luzia, comunidade da Zona Norte do Recife, que cooperou de forma voluntária na estruturação de uma horta comunitária no bairro onde mora e assumiu responsabilidades de gestão que, no senso comum, seriam destinadas para uma pessoa com mais idade. “A participação na estruturação da horta ajudou a gente a aprender o que é veneno para as plantas. A horta tirou a gente da internet e fez a gente botar a mão na terra, ter noção de coletividade e aprender junto sobre o território”, relata o jovem.

Diretor pedagógico da Escola Humberto Castello Branco (Recife), o Prof. Hildemarcos Florêncio promove ações com estudantes na Mata do Engenho Uchôa, Área de Proteção Ambiental (APA) de 192 ha, localizada na Zona Oeste do Recife. “Estamos por quase duas décadas realizando projetos ambientais com estudantes e conseguimos levar a zero uma evasão escolar que antes era de 55%”, contextualiza o professor, que também participa de movimentos sociais em prol do meio ambiente.

Ciane Alves, pesquisadora em direito ambiental e abian (filha de santo), trouxe a experiência educativa de 30 anos na comunidade tradicional onde vive. “O Ilê Axé Oxalá Talabí trabalha com educação há 30 anos e se constitui como escola de ensino fundamental devido à formação da matriarca do terreiro, e isso começou a ser feito porque a escola tradicional, além de ter o preconceito, não dá conta do aprendizado da comunidade religiosa”, explica.

Para a Prof. Ana Carolina Perrusi, do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), existe uma importância estratégica e urgente em estimular a relação entre a criança e a cidade. “É uma chance de reverter o caos em que a cidade se transformou. Minha proposta é que se promovam mais discussões como essa, formando redes locais que tragam o assunto na pauta”, indica.

O gestor público Rogério Morais aposta em um formato que una vários setores. Foto: Natália Regina/Paulo Vilala

Rogério Morais, Diretor de Gestão Pedagógica da Prefeitura do Recife, enxerga que o desafio é  intersetorial. “É preciso articular diversos atores para que tenhamos atenção ao que as crianças nos têm a dizer, para entender de fato as suas reais necessidades”, ressalta. Para a arquiteta Adryana Rozendo, gerente de Projetos Especiais da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife, a questão também é de fomentar o pertencimento. “É preciso estimular que as crianças se percebam enquanto cidadãs e agentes de transformação ativa das cidade”, defende.

O encontro contou também com a apresentação musical do grupo “Pirão Bateu da Xambá”, formado por pré-adolescentes membros da comunidade quilombola afro-brasileira Nação Xambá. O trabalho artístico é resultado das ações sociais realizadas pelo Grupo Bongar, no Centro Cultural Grupo Bongar, na comunidade Xambá.

ENCAMINHAMENTOS SUGERIDOS

1) Cobrar a execução de um Plano Municipal pela Primeira Infância (PMPI) na cidade do Recife;
2) Revisão do Plano Diretor do Recife tendo em vista a implementação de instrumentos que tenham incidência na vivência das crianças;
3) Avaliar a possibilidade de formação de uma rede de articulação Criança e Natureza em Recife.

comment 0

Jardim do Baobá recebe Encontro Criança e Natureza, dia 11 de maio

Evento acontece pela primeira vez em Pernambuco e visa compartilhar experiências que favoreçam a relação das crianças com a natureza e o meio urbano

O contato direto das crianças com o ambiente natural contribui para o seu desenvolvimento social, intelectual, emocional, espiritual e físico. Entretanto, a vida nas cidades tem afastado as crianças da natureza. Com o objetivo de destacar iniciativas locais de diferentes áreas que já atuam em projetos que resgatam essa relação, o programa Criança e Natureza, do Instituto Alana, em parceria com a INCITI – Pesquisa e Inovação para as Cidades, rede de pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), realizam o “Encontro Criança e Natureza”, dia 11 de maio (sábado), das 13h às 19h, no Jardim do Baobá, marco inicial do projeto Parque Capibaribe, em Recife. As inscrições já estão abertas e são gratuitas. O evento tem apoio da Prefeitura do Recife e do Projeto Lindeza.

O “Encontro Criança e Natureza – Recife” proporcionará momentos de interação entre crianças e suas famílias, com vivências de brincar livre na natureza, promovidas pelo Projeto Lindeza e atividades do Ribe e Os Aventureiros do Capibaribe, com o autor Allan Chaves, além de um piquenique colaborativo no jardim, em que o público será incentivado a levar lanches para compartilhar. A proposta do encontro é reunir diferentes grupos, como representantes de instituições governamentais, acadêmicas, de associações civis, escolas, movimentos sociais agentes de saúde, a fim de sensibilizar e catalisar novas oportunidades para a construção de uma cidade mais humana e amiga das crianças.

“Os encontros regionais têm como objetivo trazer a dimensão intersetorial do tema criança e natureza, além de mapear, integrar e proporcionar a troca de experiência de diferentes regiões, com seus saberes e práticas específicas. Em Recife não vai ser diferente: o encontro deseja estimular o olhar, provocar reflexões e troca de conhecimentos. Desejamos acolher, compartilhar e multiplicar iniciativas locais, de forma que os benefícios da ocupação dos espaços públicos, da cidade como um todo sejam positivos para todo mundo”, explica Laís Fleury, coordenadora do Criança e Natureza.

Allan Chaves, criador do Ribe do Capibaribe, realizará atividades com crianças. Foto: Rafa Medeiros

Circe Gama Monteiro, coordenadora da INCITI/UFPE, chama atenção para a questão do desemparedamento da infância, desafio contemporâneo que tem afastado as crianças do espaço público e do contato com a natureza. “Como irão sonhar a cidade que irão criar e o mundo que irão habitar? Nossas crianças precisam ser crianças, precisam brincar livres, descobrir e desobedecer as limitações que lhe são impostas. Este evento promete trazer pessoas para reaprenderem como respeitar a natureza das crianças”, pontua.

O educador e artista plástico, Gandhy Piorski, é um dos convidados do encontro. Foto: Tathyana Genova

Rodas de conversa: Além das vivências na natureza com crianças, jovens e adultos, a programação do “Encontro Criança e Natureza – Recife” contará com a participação do educador e artista plástico, Gandhy Piorski, que abrirá o evento com uma fala inspiradora sobre a relação da criança com o ambiente a sua volta. A programação continuará com duas rodas de conversa, formada por pessoas de diversas áreas de vivência, que trarão olhares para o tema do evento a partir dos seguintes eixos: urbanismo, educação, cultura e saúde.

Para a participação nas rodas, a organização do encontro já confirmou as presenças de Célia Santos, representante do Fórum em Defesa da Educação Infantil em Pernambuco; do professor Hildemarcos Florêncio, da Escola Humberto Castello Branco; da Mestra em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco, Ana Carolina Perrusi; do Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife, Guilherme Calheiros; do Diretor Executivo de Gestão Pedagógica da Prefeitura do Recife, Rogério Morais; além da participação do Coletivo Massapê e do estudante e morador da comunidade de Vila Santa Luzia, Geovane dos Santos Ribeiro.

Sobre o Instituto Alana

O Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. Criado em 1994, é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013. Tem como missão “honrar a criança”.

Serviço:
Quando: Sábado, 11 de maio de 2019
Horário: Das 13h às 19h
Onde: Jardim do Baobá, que fica na R. Madre Loyola, Jaqueira, Recife – PE
Inscrições gratuitas: http://bit.ly/cenrecife
Informações: info@inciti.org | 3037-6689

Programação

A partir das 13h
Acolhimento com mesão de frutas

14h às 18h
Atividades de Brincar Livre com Projeto Lindeza + Ribe e Os Aventureiros do Capibaribe

15h às 16h30

Roda de conversa: Cidade e Natureza: Como promover territórios de brincadeira e aprendizagem?

  • Hildemarcos Florêncio (Projeto pedagógico Escola Humberto Castello Branco)
  • Célia Santos (Fórum em defesa da educação infantil de Recife e Pernambuco)
  • Rogério Morais (Diretor Executivo de Gestão Pedagógica da Prefeitura do Recife)

16h45 às 18h15

Roda de conversa: Como tornar a cidade viva para as crianças?

  • Adryana Rozendo (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife)
  • Ana Carolina Perrusi (Centro de Educação UFPE)
  • Lucas Izidoro (Coletivo Massapê)
  • Geovane dos Santos Ribeiro (estudante e morador da Vila Santa Luzia)

18h15 às 19h

Encerramento

comment 0

Perspectivas, possibilidades e desafios de andar a pé

Por Rodrigo Édipo, Maíra Brandão e Fernando Castro

Apesar de vivermos em cidades que privilegiam os veículos motorizados em detrimento dos pedestres, o ato de caminhar resiste. Segundo dados do Sistema de Informações da Mobilidade Urbana, produzido em 2014, pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), 36% das pessoas andam a pé. Quando somados a este número os deslocamentos diários em transportes coletivos, esse indicador passa para 65%, já que essas pessoas têm que andar de suas casas até a parada de ônibus e do trabalho de volta para o ponto.

Com o objetivo de provocar reflexões sobre a caminhabilidade no âmbito do projeto Parque Capibaribe (PCR/INCITI), realizamos, de 07 a 14 de agosto de 2017, em três bairros do Recife, a série de ativações Percursos Sensitivos. A iniciativa integrou a programação nacional da Semana do Caminhar 2017, organizada pelo SampaPé! (SP), e contou com os parceiros locais Coletivo Massapê, Meu RecifeFab Lab Recife.

Coletando percepções. Foto: INCITI/UFPE.

Ativação com crianças: Caminhada Sensitiva | Local: Vila de Santa Luzia

Qual o lugar da criança nas decisões sobre as cidades? Segundo a organização Child Friendly City (CFC), as crianças devem influenciar nas decisões acerca do lugar onde vivem. Com isso em mente, o INCITI/UFPE e o Coletivo Massapê realizaram, nos dias 07 e 14 de agosto de 2017, na Escola Estadual Creusa Barreto Dornelas Câmara, a ativação Caminhada Sensitiva. Foram convidadas por volta de 30 crianças para compartilhar a experiência.

Melina Motta do Coletivo Massapê. Foto: INCITI/UFPE.

No primeiro dia (07), as crianças participaram de uma dinâmica em que algumas perguntas relacionadas ao caminho das mesmas até a escola eram apresentadas. Os pequenos retiravam de uma urna as provocações, liam em voz alta e as colavam em um mural. Logo após, com todas as questões dispostas no quadro, foi a hora de montar um mapa mental do percurso dos jovens por meio de desenhos. “As crianças conseguiram trazer muitos elementos dos trajetos, sempre tinham alguma história pra contar, uma vivência muito diferente da nossa de adulto, arquiteto e urbanista”, relatou Melina Motta, integrante do Coletivo Massapê. A partir dos relatos e para encerrar a dinâmica do dia, foi criado um mapa-mural coletivo com as informações coletadas.

Mapa mental. Foto: INCITI/UFPE

Para o pesquisador espanhol Jorge Larrosa Bondía, “o papel da educação é subverter regras, os procedimentos e as maneiras de fazer”. E o segundo dia de atividades (14) com as alunas e os alunos da escola caminhou nesta direção. Convidar as crianças a percorrer as ruas do bairro e abrir possibilidades de aprendizagem a partir da interação com o território é uma experiência ímpar. Os mapas criados no primeiro dia serviram de base para a caminhada sensitiva, que reuniu cerca de 30 crianças subdivididas em três grupos.

Hora de bater perna. Foto: INCITI/UFPE

As impressões de Nathália Machado, pesquisadora do INCITI/UFPE, ficaram marcadas pela surpresa: “Andar com as crianças me fez perceber quantas coisas influenciam na nossa percepção sobre a rua. Enquanto a gente observava arborização, calçadas e dimensões de ruas, eles nos mostravam a venda, a casa da vó, a rua que vai pra escola. Essa percepção só é possível quando se é dono do lugar”.

Para Anne Rose, professora da Escola Creusa Barreto Dornelas Câmara, o desafio diário é fazer com que a comunidade seja parte do processo de aprendizado das crianças. “Essa atividade é maravilhosa, pois é muito importante o aluno reconhecer o local onde vive como seu. A Vila de Santa Luzia foi construída a partir de vários bairros, então alguns alunos não se sentem pertencentes ao local”, pontuou.

No Baobá visitantes e frequentadores trocaram experiências. Foto: INCITI/UFPE

Debate: Bem Viver e Direito à cidade | Local: Jardim do Baobá

A primeira roda de conversa, de uma série de três, realizada na Semana do Caminhar no Recife, lançou um olhar para a necessidade de transformarmos a cidade a partir de nós mesmos. O encontro aconteceu na última quarta-feira (11), no Jardim do Baobá, e mobilizou jovens e adultos interessados em trocar experiências a partir da ótica de quem costuma bater perna pela cidade. Em paralelo, no mesmo local, aconteceram atividades com crianças com o objetivo de também trazer o olhar infantil para o tema.

Convidado pela equipe do INCITI/UFPE, o professor e ativista do coletivo A Cidade Somos Nós, Leonardo Cisneiros, apresentou como os conceitos de Direito à Cidade e Bem Viver estão refletidos no nosso cotidiano. “Uma cidade sem direitos tem um problema de democracia, pois é um modelo individualista e não sustentável. A ideia do Bem Viver é comunitarista e preserva o meio ambiente, como por exemplo as iniciativas de agroecologia familiar”, exemplificou.

Sustentabilidade, segurança e gênero foram temas da conversa. Foto: INCITI/UFPE

O ato de caminhar é uma maneira de exercermos de forma autônoma a busca pelos nossos direitos. Morador do bairro da Boa Vista, o arquiteto Alexandre Ramos, encontra facilidades. “No centro tudo é perto, boa parte do meu percurso posso fazer a pé, mas muita gente não faz, e assim não usa a cidade”, relatou. Segundo Alexandre, enquanto não construirmos o pertencimento da cidade, várias motivos serão levantados contra o ato de caminhar. “Fiz uma postagem nas redes sociais sobre o meu trajeto diário e muita gente argumentou que não anda a pé por medo, calor ou pelas calçadas ruins”, afirmou.

A segurança pública é um tema que impacta as mulheres. Segundo Letícia Lins, 66 anos, a violência não está necessariamente vinculada ao ato de andar a pé. “Eu, de carro, já fui assaltada cinco vezes. A pé, apenas uma vez. Aí me pergunto: qual o mais perigoso?”, provocou. Já a arquiteta Adryana Rosendo tem um histórico diferente: “Chego a me sentir mais segura andando dentro das comunidades, pois fora delas já fui assaltada nove vezes caminhando”. Para encerrar as atividades do dia, houve uma dinâmica de coleta de desejos para uma cidade mais caminhável, que irão subsidiar as pesquisas do projeto Parque Capibaribe.

Mulheres e homens pautam a questão de gênero. Foto: INCITI/UFPE

Debate: Gênero e empoderamento | Local: Graças

Trazendo um recorte de gênero, a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) sobre transporte público revela que 54% das pessoas que se deslocam a pé e de ônibus são mulheres. Por isso, um dos debates da Semana do Caminhar no Recife teve o olhar direcionado para as questões sobre gênero e empoderamento feminino na cidade. O encontro, que ocorreu na última quinta-feira (10), à beira do rio, no bairro das Graças, reuniu homens e mulheres trocando experiências sobre os riscos e vantagens de andar a pé, afirmando as transformações que o feminismo tem possibilitado no dia a dia, e compartilhando possíveis soluções para lidar com questões como segurança e infra estrutura, grandes influenciadoras na vida de quem opta por (ou não tem opção, a não ser) andar a pé.

Moradora da Caxangá, a estudante de jornalismo Daniela Marreira, que faz seus percursos a pé e de ônibus, contou que não sai de casa após às 18h, por já ter sido perseguida em pelo menos três ocasiões. Mas conta que os aprendizados com o feminismo têm lhe ajudado a se posicionar frente à uma série de dificuldades. “A consciência de ser mulher mudou completamente a forma de entender o meu corpo e como eu lido com a cidade”, disse.

Já o aspirante a arquiteto, Pedro Rosas relatou que, após uma série de relatos sobre assaltos e estupros próximo da faculdade onde estuda, no Derby, a coletividade e solidariedade dos afetados resultou na criação de grupos de Whatsapp para combinar a travessia da ponte que leva ao ponto de ônibus mais próximo. Para a moradora das Graças, Maria de Lourdes, a má conservação das calçadas são um grande obstáculo: “Eu tenho 63 anos, é mais difícil. De vez em quando eu caio. É complicado andar numa cidade cheia de buracos. Andar a pé não é só questão de consciência, mas de possibilidade”.

Maria de Lourdes alerta sobre as calçadas. Foto: INCITI/UFPE

Uma das convidadas para o debate, a mestre em desenvolvimento urbano, Lúcia Siqueira, falou sobre tornar as cidades seguras para as mulheres  e provocou o público a acompanhar a revisão do plano Diretor do Recife. “Muitas vezes quem está no papel de tomar a decisão não entende a necessidade de quem vive na cidade”, disse. Para encerrar a roda, Circe Monteiro, coordenadora do INCITI/UFPE, fez uma dinâmica para que os presentes escrevessem em um papel “para quem deveríamos estar falando?”. As respostas variaram, mas Daniela resumiu bem: “Para as mulheres, para empoderar; para os homens, para conscientizar; e para os tomadores de decisão, para transformar”.

Econúcleo Jaqueira recebeu a roda de conversa. Foto: INCITI/UFPE

Debate: Mobilidade Ativa | Local: Jaqueira

Barata, saudável e prática. A Mobilidade Ativa, forma de deslocamento para transporte de pessoas que utiliza unicamente a força do corpo para a locomoção, foi assunto da quarta atividade da Semana do Caminhar, que abordou as principais dificuldades enfrentadas pelos pedestres e ciclistas na cidade do Recife. O debate ocorreu na última sexta-feira (11), no Econúcleo do Parque da Jaqueira e apresentou depoimentos sobre os diferentes modos da população se locomover e interagir pela cidade.

A roda de conversa teve início com a fala de Djair Falcão, engenheiro sócio-ambiental do INCITI/UFPE, que apresentou o conceito e destacou as vantagens da mobilidade ativa. O bem estar físico e mental, além de um deslocamento mais prático, foram os motivos apresentados pelo pesquisador. No Recife, os desafios para a a implementação deste tipo de modal, são evidenciados nas condições precárias de segurança que a cidade enfrenta. Tal argumento foi defendido por participantes do debate.

Djair Falcão é ativista da mobilidade ativa. Foto: INCITI/UFPE

Em contrapartida, a convidada Nadja Granja, arquiteta e secretária de Mobilidade e Controle Urbano da Prefeitura do Recife, destacou a importância do envolvimento dos cidadãos. ‘’A gente precisa novamente se apropriar da cidade. Uma rua com mais pessoas circulando é uma rua menos deserta e mais segura, a população tem que trabalhar em conjunto com o governo’’, ressaltou.

A arquiteta ainda defendeu a conservação das calçadas como um dos pontos cruciais. ‘’Precisamos entender a calçada como rota e não apenas como um meio de passagem, devemos enxergá-la como um modal de transporte e, para isso, é de fundamental importância uma campanha educativa para os cidadãos entenderem a necessidade de priorizá-la’’, afirmou Nadja. Para encerrar a roda de conversa, foi realizada uma dinâmica na qual os participantes escreveram suas reivindicações direcionadas ao governo e toda a população em geral, defendendo uma cidade mais amigável para os pedestres e ciclistas.